fbpx

Polícia desarticula quadrilha suspeita de planejar roubos a bancos no RS

Organização, para sustentar o tráfico de drogas, roubava e vendia veículos, além de planejar assaltos a bancos.
Operação Rajada II desarticulou organização criminosa envolvida em tráfico de drogas e furto e roubo de veículos em Getúlio Vargas. Foto: Polícia Civil/Divulgação

Uma operação para desarticular uma quadrilha suspeita de planejar roubos a bancos no Rio Grande do Sul foi realizada na manhã desta sexta-feira (14). Na ação, 14 pessoas foram presas e um adolescente foi apreendido. Ordens judiciais foram cumpridas em Getúlio Vargas, Sertão, Bagé e Erechim.

De acordo com a Polícia Civil,  a Operação Rajada II é resultado de quatro meses de investigação. A ação teve como objetivo desarticular uma organização criminosa envolvida no tráfico de drogas em Getúlio Drogas. A quadrilha também enviava veículos furtados e roubados para outros estados e países.

O grupo planejava executar três roubos a banco na Região Norte do Estado. No entanto, os ataques foram evitados pela polícia, que realizou ações entre maio e junho.

Agentes cumpriram 19 mandados de busca e apreensão e 13 mandados de prisão preventiva. Foram apreendidos 28 celulares, sete armas de fogo, dois veículos, duas lunetas, porções de maconha e cocaína e duas balanças de precisão. Mais de R$ 7 mil também foram encontrados. 139 policiais civis participaram das diligências.

Operação Rajada

A operação teve início no final de maio, quando dois homens foram presos. Um deles é um conhecido assaltante de bancos, que estava foragido. Com a prisão da dupla, novos suspeitos passaram a ser investigados. No início de junho, foi deflagrada a primeira fase da Operação Rajada, quando foram apreendidas armas, incluindo uma submetralhadora.

A partir da primeira fase da operação, a Polícia Civil verificou a existência de uma rede de criminosos, que possuíam como vínculo comum o tráfico de drogas. O grupo seria responsável por grande parte do tráfico de drogas em Getúlio Vargas, mas teria atuação em todo o Norte gaúcho.

Os investigadores apuraram que umas das formas de financiar o tráfico era o roubo e receptação de veículos furtados e roubados. Os veículos eram vendidos para fornecedores de entorpecentes de outros estados e países.

Com a intensiva da Polícia Civil, em junho deste ano, as lideranças da quadrilha fugiram de Getúlio Vargas e se esconderam em Erechim e São Gabriel. Após um trabalho de investigação, agentes encontraram o principal líder da quadrilha em Erechim, onde foi preso nesta sexta. Outro membro da organização criminosa, que teria fugido para São Gabriel, também foi localizado.

Leia também