fbpx

PF fecha laboratório que falsificava notas de dinheiro no Rio Grande do Sul

Dois integrantes do grupo foram presos em flagrante. Entre eles está um médico, que vendia as notas falsas e as enviava pelos Correios.
Foto: Polícia Federal / Divulgação

A PF (Polícia Federal) deflagrou hoje (29) a Operação Pirita, com o objetivo de desmantelar um laboratório gráfico que falsificava notas de real. Dois criminosos foram presos em flagrante. Também estão sendo cumpridos seis mandados de busca e apreensão, em diferentes regiões do Rio Grande do Sul: três em Cruz Alta, um em Canela, um em Torres e um em Três Coroas.

Uma das prisões ocorreu em Três Coroas, onde foi capturado o líder da quadrilha. Em Torres, no Litoral Norte, foi preso um médico. De acordo com a PF, ele negociava a venda das réplicas por redes sociais e enviava notas falsas pelos Correios.

As investigações demonstraram que a organização criminosa utilizava maquinário diversificado e várias técnicas gráficas para produzir o dinheiro falso. As réplicas simulavam os itens de segurança das cédulas verdadeiras de real. Durante a ação de hoje, grande quantidade de material usado para a falsificação de moeda, como papéis, impressoras, tintas e equipamento gráfico foram apreendidos.

De acordo com a corporação, nos últimos quatro anos, a organização colocou no meio circulante brasileiro milhares de cédulas falsas. “Já foram identificadas, apreendidas e retiradas de circulação mais de 28 mil cédulas que teriam sido produzidas pelo grupo, entre notas de R$ 10, R$ 20, R$ 50 e R$ 100. As cédulas falsas, se somadas, atingem o valor de face de quase R$ 2 milhões”, diz comunicado da PF.

“Na ação de hoje, foi apreendida grande quantidade de aparatos para a falsificação de moeda, como papéis, impressoras, tintas, equipamento gráfico variado e material de acabamento; além de novas cédulas falsas prontas e outras em fase de confecção que ainda serão periciadas pela PF. Além da manutenção do próprio laboratório, há comprovação de que a organização criminosa realizava a venda das cédulas falsas, via redes sociais”, acrescentou a corporação.

Conforme a PF, os investigados, responderão pelos crimes de moeda falsa, cuja pena é de 3 a 12 anos de reclusão e pelo delito de organização criminosa, com pena de 3 a 8 anos de reclusão.

Nome é alusão a calote

O nome da operação faz alusão ao mineral semelhante a ouro utilizado para enganar desde a antiguidade. A pirita é um composto metálico, derivado do ferro, que não tem as propriedades do ouro.

📰 Receba as notícias do Agora no seu WhatsApp e Telegram
Notícias relacionadas