fbpx

EUA libera 40 mil vistos para médicos e enfermeiros imigrantes

EUA libera 40 mil vistos para médicos e enfermeiros imigrantes
Foto: Ravena Rosa/Agência Brasil (Arquivo)

A escassez de médicos nos Estados Unidos gira em torno de 35 mil profissionais, em meio ao cenário de pandemia do coronavírus (Covid-19). Existem muitos municípios sem um único médico trabalhando. Diante deste cenário, hospitais e legisladores americanos se uniram para buscar força de trabalho de imigrantes.

A Lei de Resiliência da Força de Trabalho em Saúde, é um projeto que responde à falta de profissionais da área em meio à pandemia do coronavírus nos Estados Unidos, ao recuperar 40 mil vistos americanos não utilizados, o objetivo é agilizar o processo para médicos e enfermeiros imigrantes e ao mesmo tempo garantir o emprego dos trabalhadores americanos.

Até então milhares de enfermeiros e médicos ficavam presos na lista de pendências do Green Card, esperando na fila para poderem se juntar à força de trabalho de saúde. Além disso, centenas de milhares de vistos baseados no emprego (EB) foram deixados sem uso entre 1992 e 2020.

Alguns desses vistos não utilizados foram recapturados para medidas de emergência no passado – isso aconteceu apenas duas vezes e a última ocorreu em 2005, durante outra grave crise de escassez de enfermagem. Embora o país esteja no meio de uma necessidade crítica da força de trabalho, muitos desses vistos permanecem sem uso e correm o risco de serem desperdiçados.

Para resolver essa questão, em 5 de maio, o senador David Perdue (R-Geórgia) se uniu aos senadores Durbin (D-Illinois), Young (R-Indiana), Coons (D-Delaware), Cornyn (R-Texas) e Leahy (D-Vermont) e introduziu a Lei de Resiliência da Força de Trabalho em Saúde, que dentre outras coisas, determina:

-A recuperação de vistos não utilizados para reforçar a força de trabalho americana essencial na área da saúde.

– A garantia de que os novos profissionais de saúde não substituam os atuais trabalhadores americanos.

– Honrar as famílias dos profissionais de saúde com visto americano.

O projeto ajuda a preencher a necessidade urgente de profissionais de saúde e, portanto, não afeta o emprego ou os salários dos atuais profissionais de saúde americanos. Porém exigiria dos empregadores de cada novo profissional de saúde, um atestado oficial de que a contratação não substituiu e não substituirá um trabalhador dos EUA. A Lei garante ainda o status para as famílias dos imigrantes.

Segundo o escritório de imigração Advanced Global Immigration Law Group, para que estes vistos sejam liberados o hospital ou prestador de cuidados de saúde precisaria então solicitar cada cargo, para que os médicos e enfermeiros já tivessem emprego alinhado antes mesmo do recebimento dos vistos.

📰 Receba as notícias do Agora no seu WhatsApp e Telegram
Notícias relacionadas