Rodoviários fazem operação tartaruga por corredores de ônibus em Porto Alegre

Rodoviários de Porto Alegre realizam, na manhã desta segunda-feira uma operação tartaruga em corredores de ônibus do Centro e zona norte da Capital.

Compartilhe:

Rodoviários de Porto Alegre realizam, na manhã desta segunda-feira (3) uma operação tartaruga em corredores de ônibus. O protesto é contra o projeto da Prefeitura de remover a função de cobradores entre 22h e 4h da manhã. Os funcionários das empresas de ônibus creem que, se aprovada, a legislação vai provocar demissões, o que é contestado pela administração da Capital.

A manifestação dos rodoviários começou por volta das 7h, quando grupos de motoristas e cobradores saíram em caminhada. Um grupo deixou a sede do StetPOA (Sindicato dos Rodoviários de Porto Alegre), que fica na avenida Venâncio Aires, no bairro Cidade Baixa.

Eles ingressaram no corredor de ônibus da avenida João Pessoa, impactando o fluxo de veículos e coletivos em direção ao Centro da cidade. No entanto, logo os rodoviários também ocuparam a faixa de veículos.

Outro grupo saiu em caminhada pelo corredor de ônibus da avenida Farrapos, impactando a mobilidade de coletivos e veículos pela via. Os ônibus metropolitanos deixaram o corredor para tentar não ficarem presos no congestionamento causado pela manifestação.

A intenção é ir caminhando até a Câmara de Vereadores, onde deve ocorrer a votação do projeto hoje à tarde. Eles devem decidir o trajeto após chegarem na Rodoviária de Porto Alegre.

Entenda o projeto

O projeto apresentado pela Prefeitura quer a flexibilização da lei. Assim, desobriga que as empresas de ônibus tenham cobrador em casos específicos, como em dias de passe livre; domingos e feriados; das 22h às 4h, em linhas com número reduzido de passageiros e nas linhas alimentadoras, já gratuitas, que levam o passageiro de dentro dos bairros até o eixo principal de atendimento.

Conforme a Prefeitura, as empresas teriam que capacitar os profissionais para evoluir profissionalmente e atuar em outras funções no próprio empregador. De acordo com a Prefeitura, o impacto da mudança na passagem é de menos R$ 0,05.


Compartilhe: