Uber começa a informar ao motorista o destino da viagem e quem é usuário novo

Compartilhe:

Já está valendo a última novidade da Uber, que passou a mostrar aos motoristas parceiros das três capitais da Região Sul, antes do início da viagem, a região do destino final da próxima rota e sinalizar se o usuário que fez a solicitação tiver poucas viagens no aplicativo.

Segundo a empresa, os recursos, que vinham sendo testados separadamente ao longo dos últimos meses em diferentes versões, ganharam um novo formato e visualização, aprimorados de acordo com os resultados dos testes e os retornos recebidos dos parceiros. Algumas cidades de outras regiões também estão recebendo o mesmo recurso.

“O lançamento é resultado do investimento permanente da Uber em novas tecnologias para melhorar a experiência no aplicativo e atender às necessidade locais. O objetivo da empresa é ser ainda mais transparente, fornecendo mais informações aos milhares de motoristas parceiros que usam o app para gerar renda no Brasil sem prejudicar a experiência dos usuários”, diz o comunicado da empresa.

“Os experimentos já realizados mostraram resultados positivos nesse sentido e, por isso, resolvemos lançar para todos os nossos parceiros dessas cidades”, explica Fabio Plein, diretor de Operações da Uber no Brasil. “Mostrar o destino final do usuário para o motorista parceiro, antes do início da viagem, era uma demanda recorrente dos motoristas. Criamos uma ferramenta para garantir isso sem prejudicar os usuários”, afirma o diretor.

Nesta semana, ao aceitarem uma viagem, todos os motoristas parceiros das cidades envolvidas começaram a receber na mesma tela a informação da região de destino do usuário e uma sinalização adicional, caso o usuário seja iniciante no app.

As avaliações seguem em curso e novos aprimoramentos na ferramenta ainda podem ser feitos no futuro, informa a empresa.

Com a novidade, alguns motoristas podem passar a recusar viagens, em especial as pagas em dinheiro ou solicitadas por quem é usuário novo, e que se dirijam a áreas consideradas de risco.


Compartilhe: