Trevo de acesso a Santana da Boa Vista receberá iluminação

A comunidade de Santana da Boa Vista pode comemorar: o trevo de acesso à cidade, no km 199, da BR-392, receberá iluminação de LED.

Compartilhe:

A comunidade de Santana da Boa Vista pode comemorar: o trevo de acesso à cidade, no km 199, da BR-392, receberá iluminação de LED.

O TAC (Termo de Acordo e Compromisso) foi assinado entre a Ecosul e o prefeito Arilton de Oliveira Freitas (PT). De acordo com o acordado, a concessionária instalará a estrutura de iluminação, enquanto a prefeitura faz a ligação elétrica ao sistema.

“Quando necessário, faremos o serviço de manutenção, enquanto os custos de consumo de energia elétrica ficam a cargo do poder público”, destaca o gestor de obras da Ecosul, Mauro Porto.

A previsão é de que as obras iniciem em janeiro, com prazo de conclusão em 60 dias. Durante a reunião realizada na sede do executivo santanense foi apresentado ao prefeito uma maquete digital da proposta.

Ainda no encontro foram explicados os procedimentos destes projetos que tramitam na ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres).

Além do prefeito e do engenheiro Mauro Porto, estiveram presentes no encontro o responsável pela faixa de domínio, Yago Bandeira e a analista de comunicação, Marília Silva.

O projeto de iluminação viária da Ecosul visa atingir vários pontos essenciais do Polo Rodoviário de Pelotas. Em Pelotas serão sete pontos contemplados. Dois deles, Vila Princesa e o viaduto da Fernando Osório, já estão em pleno funcionamento.

No trevo de acesso ao Jardim América, no município de Capão do Leão, também já é possível observar a nova iluminação.

De acordo com o gerente de atendimento ao usuário da Ecosul, Raul Boff, a tecnologia LED além de ter maior vida útil, na prática, facilita a identificação de pessoas e veículos, contribuindo diretamente para segurança no tráfego.

A longa duração também é outro fator positivo nas rodovias. “Com a maior durabilidade das lâmpadas, não é preciso interromper o tráfego com a frequência que as lâmpadas antigas exigiam”, ressalta.


Compartilhe: