Morre motorista de aplicativos baleado em tiroteio na zona sul de Porto Alegre

Um terceiro ferido no tiroteio segue internado, também em estado grave, no HPS. A quarta vítima, uma mulher jovem, foi atendida e liberada ainda ontem.

Compartilhe:

Morreu, na noite de ontem (28), o motorista de aplicativos baleado na cabeça durante um tiroteio ocorrido no bairro Cascata. Por conta disso, chega a dois o número de mortos no confronto, que envolveu duas quadrilhas, na terça-feira (27).  A informação foi divulgada pelo delegado Gabriel Bicca, que investiga o caso.

Marcelo Xavier Duarte, 47 anos, dirigia um Renault Sandero quando foi baleado na cabeça na esquina entre a Herval e Oscar Pereira. Ele transportava, de acordo com a polícia, um motoboy que precisava realizar uma entrega na região. A motocicleta do entregador havia pifado e o motorista de aplicativos foi acionado para concluir a viagem.

Ferido na região da cabeça, Duarte perdeu o controle do carro e bateu em um poste. Ele foi socorrido, em estado grave, ao HPS (Hospital de Pronto Socorro) de Porto Alegre, onde permaneceu internado.

Ao todo, o tiroteio entre as quadrilhas de bandidos deixou saldo de quatro baleados. Antonio Vilmar Souza da Costa, 69 anos, teve a morte declarada ainda na madrugada de ontem, por volta das 0h30min.

Um terceiro ferido no tiroteio segue internado, também em estado grave, no HPS. A quarta vítima, uma mulher jovem, foi atendida e liberada ainda ontem.

Prisão na zona leste

A Polícia Civil realizou diligências para prender os autores do tiroteio na tarde de quarta. Durante as buscas,  conseguiu prender um dos envolvidos no tiroteio.

O bandido foi detido no bairro Bom Jesus, zona leste de Porto Alegre com quatro pistolas calibre 9 milímetros, o mesmo usado no tiroteio no Cascata.

Conforme a Polícia Civil, a prisão foi possível a partir de uma denúncia anônima. A investigação também já sabe os carros usados pelos bandidos.

As buscas para tentar prender os criminosos restantes prosseguem. Detalhes não estão sendo divulgados para não atrapalhar as investigações em curso.


Compartilhe: