Operação Luz na Infância 2

Vinte e uma pessoas são presas em ação contra crimes de exploração sexual

Operação Luz na Infância 2 é deflagrada no combate a crimes de exploração sexual infanto-juvenil. Foto: Polícia Civil/Divulgação

A Polícia Civil do Estado do Rio Grande do Sul através dos Departamentos Estadual da Criança e do Adolescente e de Investigações Criminais, em parceria com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), deflagrou uma ação integrada denominada Operação Luz na Infância 2, com o objetivo de apurar crimes de exploração sexual contra crianças.

Segundo a Polícia Civil, na ação foram cumpridos 43 mandados de busca e apreensão em 23 cidades do Rio Grande do Sul. Aproximadamente 200 policiais civis participaram da operação. Além de vinte e uma pessoas presas, também foi identificada uma criança na posse de material com conteúdo de exploração sexual infanto-juvenil. Foram oito prisões em Porto Alegre, duas em Santa Maria, duas em Cachoeirinha e duas em Novo Hamburgo, além de prisões efetuadas também em Alvorada, Pelotas, Panambi, Taquara, Canoas, Sapucaia, São Leopoldo e Viamão.

Foram apreendidos diversos computadores, notebooks, HDs externos, pen drives e outros dispositivos de armazenamento que continham material referente a crimes de abuso e exploração sexual infanto-juvenil, além de armas, munições e quantidade de drogas.

Os alvos da Operação Luz na Infância 2 foram identificados através de um levantamento de informações pela Senasp e a Embaixada dos Estados Unidos da América no Brasil. Com base em informações e evidências coletadas em ambientes virtuais, a Polícia Civil, através da Delegacia para a Criança e Adolescente Vítima (DPCAV/Deca) instaurou inquéritos policiais e representou pelas buscas e apreensões junto ao Poder Judiciário, visando apreender computadores e dispositivos informáticos, que poderiam armazenar conteúdos de pedofilia, e a partir da constatação do crime, indiciar e prender os criminosos.

As investigações realizadas pela Operação Luz na Infância 2 vinham sendo feitas há seis meses e são resultados do aprimoramento do trabalho de inteligência de segurança pública e atuação em modelo de força tarefa, que reúnem em um mesmo ambiente de trabalho policiais com expertise e capacitação na repressão aos crimes virtuais e de pedofilia, um cenário ideal para coletar e preservar evidências criminosas, garantindo, como consequência, a identificação e posterior condenação dos criminosos pela Justiça.